_Destaque

Segurança e privacidade na aviação executiva no contexto da Covid-19

A eclosão da COVID-19 no Brasil provocou efeitos drásticos no setor de aviação. O número de voos caiu mais de 90% e deixou cidades menores total ou parcialmente inacessíveis por via aérea. Mas a crise também evidenciou um segmento que vem surgindo como alternativa de excelente relação custo-benefício – a propriedade compartilhada de aeronaves.

Após esse período de forte abalo, a economia começa a retomar suas atividades. A redução no ritmo das contaminações e a necessidade de voltar a operar e abastecer os mercados com produtos e serviços leva a roda dos negócios a girar novamente, evitando impactos ainda maiores sobre as atividades e os empregos.

Porém, é certo que a mudança de comportamento, com a priorização da saúde, da segurança e da privacidade, torna-se uma realidade incontestável, mesmo após a disponibilização de uma vacina eficaz. Novos protocolos e regras de segurança se impõem, e ainda assim, com muita atenção a qualquer atividade envolvendo a presença de várias pessoas em um mesmo local.

No setor de aviação, a pandemia destacou as vantagens da aviação executiva como alternativa para o deslocamento de empresários e executivos, com mais segurança e rapidez. Quem pode fazer uso dessa modalidade tem contornado muito melhor, e de forma muito mais eficaz, os percalços criados pela crise.

Não é por acaso que a demanda nesse setor vem crescendo recentemente. Segundo matéria da Forbes, enquanto as companhias aéreas registraram uma queda de 69% na terceira semana de junho, o número de voos privados teve redução de apenas 17%, em comparação ao mesmo período do ano passado. Se tomarmos o último dia 20 de junho isoladamente, as viagens em jatos executivos foram, impressionantemente, 2,5% acima do registrado na mesma data de 2019.

Contudo, a aviação executiva ainda pode ser muito cara. Para se ter ideia, com base em uma plataforma digital de táxi-aéreo, um voo de ida e volta na mesma semana, entre São Paulo e o Rio de Janeiro, pode variar entre R﹩ 30 mil e R﹩ 300 mil, dependendo do modelo da aeronave. A alternativa existe!

 

Nesse contexto, acelera-se o crescimento do setor de compartilhamento de aeronaves, que se confirma como uma forte tendência e alternativa que apresenta o melhor custo-benefício. Essa modalidade de aquisição deve se intensificar principalmente por conta de empresários e executivos que não podem suspender suas atividades, por estarem em setores essenciais e por terem visto seus gastos aumentarem consideravelmente com o fretamento de aeronaves particulares. Isso também inclui empreendedores em busca de maior segurança e tranquilidade para suas equipes e suas famílias.

O movimento já é notado na Prime You, que registra um número crescente de contatos, de intenções de compra e de cotas comercializadas de jatos e helicópteros no modelo de propriedade compartilhada. Após a pandemia, a previsão é que o compartilhamento contribua para o crescimento da aviação executiva, já em níveis semelhantes aos de 2019, quando houve um incremento sem precedentes na comercialização de jatos executivos.

Para nós, que estamos na dianteira deste mercado, é muito estimulante ver que o comportamento de consumo está caminhando para uma forma mais inteligente de aquisição e que requer menos investimentos, com as vantagens de oferecer uso semelhante ao da propriedade exclusiva e de demandar menos esforços diretos na manutenção do ativo. É o futuro, que já está disponível.

Mais Lidas

VOENEWS - Notícias do Turismo Escritório de Negócios QNN 7 Conjunto "L" - Lote 47 - Loja 01- CEP: 72225-080 Telefone: (61) - 3202-8600 - Celulares: (61) 98117-4456 E-mail: contato@voenews.com.br

Copyright © 2011 - VOENEWS - Notícias do Turismo

para o Topo