Cias Aéreas

KLM apresenta Capitã Jacqueline: uma pilota quebrando estereótipos

unnamed - 2020-03-09T170114.392
Pilota da KLM há 27 anos, Jacqueline Vollebregt lidou com as dificuldades de aceitação na profissão e este ano lança o primeiro livro

Na KLM, companhia aérea holandesa, a emoção de apresentar uma pilota antes de um voo é um consenso entre as comissárias. Porém, isso não é algo que acontece com frequência. Na KLM, apenas 5,8% dos pilotos são mulheres. Jacqueline Vollebregt, de 53 anos, é uma delas. Ela é capitã a bordo do Boeing 777/787 e está na KLM há 27 anos. A capitã mais experiente da companhia conta algumas de suas experiências viajando o mundo nos cockpits.

Quando criança, você sonhava em se tornar pilota?
“De modo algum. A carreira acadêmica da minha mãe terminou depois que ela concluiu a escola de economia doméstica, para sua frustração. Por isso ela sempre me disse que eu poderia me tornar o que eu quisesse ser. Mas eu não tinha ideia do que eu queria. Saí da escola aos 16 anos para me tornar mensageira. Durante uma viagem de férias com um amigo, fui convidada a dar uma olhada no cockpit. Foi maravilhoso! Alguns anos depois, eu ainda sentia essa coceira e decidi fazer aulas de voo na Academia de Voo da Martinair. A partir daquele momento, eu sabia que era isso que queria fazer! Mas primeiro eu precisava obter as qualificações certas, então continuei trabalhando como mensageira e concluí a exigência de universidade, estudando no período da noite.

Para cobrir os custos de frequentar a Academia Nacional de Voo, fui morar com meus pais novamente e trabalhei muito. Durante a semana, prestava serviços de assistência domiciliar e, nos fins de semana, trabalhava em uma loja de departamentos (V&D). Eu também entregava jornais. O problema era que eu só poderia obter um empréstimo do banco se eu investisse pessoalmente 36.000 florins (moeda holandesa utilizada até 2002). Depois de guardar 30.000 florins, peguei emprestado os 6.000 restantes dos meus pais. E então me matriculei na Academia Nacional de Voo aos 24 anos. Dois anos depois, fui recrutada pela KLM”.

Como foi para você na Academia de Voo?
“Sempre senti que eu tinha muito mais a provar, mas também logo me senti em casa. Felizmente, havia outra mulher na minha classe. Houve muitas observações chauvinistas nos primeiros anos. Um instrutor, uma vez, afirmou que achava que mulheres no cockpit era uma má ideia, porque estavam de mau humor uma vez por mês. Isso foi antes de termos passado algum tempo juntos no cockpit”

Como é trabalhar no mundo dos homens?
“Não tem sido um problema nos últimos 27 anos. Todo mundo tem sua própria história. Todo mundo é interessante. Gosto de trabalhar com homens e tenho muito o que discutir com eles. Conversamos sobre todos os tipos de assuntos, de carros e investimentos, a viagens, hobbies e outras coisas. E quando estamos desempenhando as nossas funções no cockpit, a comunicação é sempre direta. Isso é essencial para evitar problemas na operação.”

 

Como os passageiros reagem a você?
“Sempre recebo muitos comentários, principalmente positivos. Lembro-me vividamente de uma senhora de 82 anos, subindo a bordo e dizendo: ‘Esta é a primeira vez que voei e estou emocionada por ter uma mulher capitã!’ Mas, às vezes, recebo observações tolas como ‘preparem-se para uma aterrissagem difícil’.” Também me lembro de um homem muito nervoso, que parecia horrorizado quando percebeu que eu era a capitã. ‘Você poderá nos levar até lá com segurança?’, perguntou ele. Quando eu disse a ele que estava voando há 25 anos, ele se acalmou um pouco.”

Como seus colegas na cabine respondem?
“Costumo ouvi-los dizendo: ‘Tão legal! Uma capitã! Mas veja, estou apenas fazendo o meu trabalho. Como tripulação do cockpit, voamos com muitas tripulações de cabine diferentes. Muitas vezes voamos com diferentes tripulantes de cabine nos voos de ida e volta. Muitas vezes, quando me apresento aos colegas quando não estou usando meu uniforme, eles demoram um pouco para perceber que sou parte da equipe do cockpit.”

O que você gosta em voar?
“Ainda é mágico pilotar uma máquina tão grande, especialmente quando está tempestuoso e você precisa pousar em ventos fortes. Quando digo isso às pessoas, elas me olham como se eu fosse louca. Mas são esses tipos de desafios que tornam o voo interessante. Alguém que gosta de dirigir também prefere percorrer estradas sinuosas nas montanhas, em vez da estrada. Como capitã, sempre há questões que preciso resolver. Isso exige criatividade e mantém o trabalho especialmente interessante.”

 

Qual é o seu destino favorito?
“Pergunta difícil! Existem tantos lugares bonitos, mas se eu tiver que escolher um, eu diria Nova York. É maravilhoso correr e assistir as pessoas no Central Park. Ou vou para o café na livraria Barnes & Noble para trabalhar no meu livro. Gosto de escrever histórias no meu tempo livre, em casa e em minhas viagens. Isso me permite me expressar de forma criativa e faz um bom contraste com o meu trabalho no cockpit, que é principalmente sobre seguir os procedimentos estabelecidos.”

Você tem alguma dica para meninas que sonham em se tornar pilotas?
“Vá em frente! Venha e junte-se a nós! Não permita que obstáculos práticos entrem no seu caminho. Se você não fez matemática e ciências, sempre poderá obter essas qualificações posteriormente. Às vezes, ouço as comissárias dizendo que gostariam de se tornar pilotas, mas simplesmente não consideraram isso na época. Nesse sentido, é importante ter um modelo. Duas filhas de amigos meus também se tornaram pilotas. Não estou dizendo que é por minha causa, mas posso ter contribuído um pouco para fazê-las pensar.”

 

Quais são seus planos?
“Vou me aposentar em cinco anos. Meu marido e eu sempre quisemos dirigir nossa van da Holanda para a Austrália. Esse é um longo caminho e queremos fazer tudo no nosso tempo. Também escrevi um livro infantil chamado “Thirsa en het spookvliegtuig” (Thirsa e o avião fantasma), que será lançado na primavera de 2020. No livro, Thirsa e suas amigas saem em aventuras emocionantes em um avião pequeno que somente ela pode pilotar. Será um sonho ver meu livro nas livrarias!”

Sustentabilidade no Grupo Air France — KLM
A Air France-KLM foi nomeada novamente líder da indústria de transporte aéreo pelo Índice de Sustentabilidade Dow Jones (DJSI), indicativo mais importante do mundo para as práticas sociais e ambientais promovidas pelas empresas. Pelo décimo quinto ano consecutivo, o Grupo é um dos pioneiros nas categorias Europa e Mundial, e em 2019 conquistou o primeiro lugar.
Na sua busca para manter esta posição, a KLM tomou medidas no campo da renovação da frota, desenvolvimento de seu próprio esquema de compensação de carbono e mais recentemente expressou seu compromisso com o desenvolvimento da primeira planta sustentável de combustível de aviação e um protótipo inovador de aeronave chamado Flying-V. Em 2018, todas essas medidas resultaram em uma redução relativa de 17% nas emissões de CO2 por passageiro em relação a 2011.
Além disso, desde 1º de janeiro de 2020, os clientes da Air France podem viajar de maneira neutra em carbono pela da França, graças à decisão da empresa de compensar proativamente 100% das emissões de CO2 em seus voos domésticos. Concretamente, as emissões de 450 voos por dia e 57.000 clientes estão sendo compensadas.

Sobre a KLM
Há 100 anos, a KLM é pioneira no setor de transporte aéreo e é a companhia aérea mais antiga que ainda opera sob seu nome original. A KLM pretende ser a companhia aérea com mais foco no cliente, inovadora e eficiente, oferecendo um serviço confiável e produtos de alta qualidade na Europa.
A KLM transportou um recorde de 34,1 milhões de passageiros em 2018, oferecendo aos seus passageiros voos diretos para 162 destinos com uma frota moderna de 214 aeronaves. A companhia aérea emprega uma força de trabalho de mais de 33.000 pessoas em todo o mundo. O Grupo KLM como um todo transportou mais de 43 milhões de passageiros em 2017. Além da KLM, o Grupo KLM inclui a KLM Cityhopper, Transavia e Martinair. A malha aérea da KLM conecta a Holanda com todas as principais regiões econômicas do mundo e é um poderoso motor impulsionando a economia da Holanda.

Grupo Air France-KLM
Desde a fusão em 2004, a KLM faz parte do Grupo Air France-KLM. Essa fusão deu origem a um dos principais grupos de companhias aéreas da Europa, com duas marcas fortes operando em dois grandes centros: o Aeroporto Schiphol de Amsterdã e o Charles de Gaulle de Paris. O grupo concentra-se em três atividades principais: transporte de passageiros e carga e manutenção de aeronaves. Juntas, as duas companhias aéreas transportam mais 100 milhões de passageiros por ano.
A KLM também é membro da SkyTeam Alliance global, que possui 19 companhias aéreas associadas e uma malha aérea conjunta de 1063 destinos em 173 países.
Para mais informações sobre a KLM, acesse KLM.com, KLM Newsroom, Facebook, Twitter e o Blog.

KLM no Brasil
A KLM opera atualmente 17 frequências semanais entre a Holanda e o Brasil — são 3 voos para Fortaleza, 7 frequências para o Rio de Janeiro e outras 7 para São Paulo.
Juntamente com a parceria global Air France e a GOL Linhas Aéreas Inteligentes, parceira desde 2014 no Brasil, as companhias já operaram mais de 1 milhão de passageiros e cobrem 99% da demanda entre o Brasil e a Europa.

 

Mais Lidas

VOENEWS - Notícias do Turismo Escritório de Negócios QNN 7 Conjunto "L" - Lote 47 - Loja 01- CEP: 72225-080 Telefone: (61) - 3202-8600 - Celulares: (61) 98117-4456 E-mail: contato@voenews.com.br

Copyright © 2011 - VOENEWS - Notícias do Turismo

para o Topo