Cias Aéreas

Grupo Emirates anuncia desempenho semestral 2019-20 com lucro de AED 1,2 bilhão e aumento de 7,9% no número de passageiros transportados para Dubai

unnamed

• Grupo: Receita caiu 2% para AED 53,3 bilhões (US$ 14,5 bilhões) e lucro de AED 1,2 bilhão (US$ 320 milhões), um aumento de 8%. Resultados impactados pelo fechamento da pista do Aeroporto Internacional do Dubai (DXB), queda no custo do combustível, movimentos cambiais desfavoráveis e falência da Thomas Cook.

• Emirates: receita caiu 3%, para AED 47,3 bilhões (US$ 12,9 bilhões), e aumento de lucro de 282%, para AED 862 milhões (US$ 235 milhões). Taxa de ocupação de assento de 81,1%, aumento de 2,3%, com 29,6 milhões de passageiros transportados. Com a forte atração de Dubai como destino, a companhia aérea transportou 7,9% a mais de clientes para seu hub, em comparação com o mesmo período do ano passado.

• dnata: receita aumentou 5%, para AED 7,4 bilhões (US$ 2,0 bilhões), lucro sofreu queda de 64%, para AED 311 milhões (US$ 85 milhões), refletindo o impacto da falência de Thomas Cook e uma transação única do ano passado. 51,9 milhões de refeições, aumento de 67% devido à grande expansão dos negócios.

 

O Grupo Emirates anunciou hoje seus resultados semestrais para o ano fiscal de 2019-20.

A receita do grupo foi de AED 53,3 bilhões (US$ 14,5 bilhões) nos primeiros seis meses de 2019-20, uma queda de 2% em relação a AED 54,4 bilhões (US$ 14,8 bilhões) durante o mesmo período do ano passado. Esse ligeiro declínio de receita deveu-se principalmente às reduções planejadas de capacidade durante o fechamento da Pista Sul, por 45 dias, no Aeroporto Internacional de Dubai (DXB) e a movimentos desfavoráveis de moedas na Europa, Austrália, África do Sul, Índia e Paquistão.

A lucratividade aumentou 8% em relação ao mesmo período do ano passado, com o Grupo registrando um lucro líquido para o semestre de 2019-20 de AED 1,2 bilhão (US$ 320 milhões). A melhoria do lucro deveu-se principalmente à queda de 9% nos preços de combustíveis, em comparação com o mesmo período do ano passado, no entanto, o ganho com menores custos de combustível foi parcialmente compensado por movimentos negativos da moeda.

A posição de caixa do Grupo em 30 de setembro de 2019 era de AED 23,0 bilhões (US$ 6,3 bilhões), em comparação com AED 22,2 bilhões (US$ 6,0 bilhões) em 31 de março de 2019.

“O Grupo Emirates apresentou um desempenho estável e positivo no primeiro semestre de 2019-20 ao adaptar nossas estratégias para enfrentar as difíceis condições comerciais e a incerteza político-social em muitos mercados ao redor do mundo. Tanto a Emirates quanto a dnata trabalharam duro para minimizar o impacto para nossos negócios e clientes, das reformas planejadas na pista de DXB. Além disso, mantivemos um controle rígido dos custos controláveis e continuamos a promover a melhoria da eficiência, garantindo ao mesmo tempo que nossos recursos fossem implantados com agilidade para lucrar com as áreas de oportunidade.

O menor custo de combustível foi uma trégua bem-vinda, pois vimos nossa conta de combustível cair em AED 2 bilhões em comparação com o mesmo período do ano passado. No entanto, movimentos cambiais desfavoráveis eliminaram aproximadamente AED 1,2 bilhão de nossos lucros.

A perspectiva global é difícil de prever, mas esperamos que a indústria aérea e de viagens continue enfrentando problemas nos próximos seis meses, com a forte concorrência aumentando a pressão sobre as margens. Como grupo, continuamos focados no desenvolvimento de nossos negócios e continuaremos investindo em novos recursos que capacitam nosso pessoal e nos permitem oferecer produtos, serviços e experiências ainda melhores para nossos clientes. ”

Sua Alteza (HH) Sheikh Ahmed bin Saeed Al Maktoum, Presidente e CEO da Emirates Airline e Grupo

A base de funcionários do Grupo Emirates permaneceu inalterada em relação a 31 de março de 2019, com uma média geral de 105.315 colaboradores. Isso está alinhado com a capacidade planejada e as atividades de negócios da empresa e também reflete os vários programas internos para melhorar a eficiência por meio da implementação de novas tecnologias e fluxos de trabalho.

Emirates Airline

Durante os primeiros seis meses de 2019-20, a Emirates recebeu 3 Airbus A380s, com mais 3 novas aeronaves programadas para serem entregues antes do final do ano financeiro de 2019-20. A empresa retirou 6 aeronaves antigas de sua frota, com outras 2 a serem devolvidas até 31 de março de 2020. A estratégia de longa data da companhia aérea de investir nas aeronaves de fuselagem larga mais avançadas permite melhorar a eficiência geral, minimizar a pegada de emissões e fornecer experiências de alta qualidade ao cliente.

A Emirates continua a oferecer conexões cada vez melhores para seus clientes em todo o mundo, com apenas uma parada em Dubai. Nos primeiros seis meses de seu exercício, a Emirates adicionou duas novas rotas de passageiros: Dubai-Bangkok-Phnom Penh e Dubai-Porto (Portugal). Em 30 de setembro, a rede global da Emirates abrangia 158 destinos em 84 países. Sua frota era de 267 aeronaves, incluindo cargueiros.

A Emirates também desenvolveu ainda mais sua parceria com a flydubai. Ambas as companhias aéreas continuaram a aproveitar suas redes complementares para otimizar horários de voos e oferecer novas conexões de pares de cidades por Dubai, além de abrir novas rotas, incluindo Nápoles (Itália) e Tashkent (Uzbequistão) no primeiro semestre de 2019-20. Os clientes também desfrutam de ainda mais benefícios com um único programa de fidelidade no Emirates Skywards, e os passageiros que fazem conexões entre a Emirates e a flydubai podem realizar trânsitos contínuos com 22 voos da flydubai agora operando no Terminal 3 da Emirates no DXB.

A capacidade total durante os primeiros seis meses do ano caiu 7%, para 29,7 bilhões de Quilômetros Disponíveis de Tonelada (ATKM), principalmente devido ao fechamento da pista do DXB e à redução da frota durante esse período de 45 dias. A capacidade medida em Quilômetros de Assentos Oferecidos (ASKM), encolheu 5%, enquanto o tráfego de passageiros medido em RPKM (Passageiros-Quilômetros Pagos transportados) caiu 2%, com o Fator de Assentos de Passageiros médio subindo para 81,1%, em comparação com os 78,8% do ano passado.

A Emirates transportou 29,6 milhões de passageiros entre 1º de abril e 30 de setembro de 2019, uma queda de 2% em relação ao mesmo período do ano passado, no entanto, o rendimento dos passageiros aumentou 1% em relação ao período anterior. O volume de carga transportada em 1,2 milhão de toneladas diminuiu 8%, enquanto o rendimento diminuiu 3%. Isso reflete o ambiente comercial difícil para a carga aérea no contexto de tensões comerciais globais e instabilidade em alguns mercados importantes de carga.

Na primeira metade do ano financeiro de 2019-20, o lucro líquido da Emirates foi de AED 862 milhões (US$ 235 milhões), um aumento de 282% em comparação ao ano passado. A receita da Emirates, incluindo outras receitas operacionais, de AED 47,3 bilhões (US$ 12,9 bilhões) caiu 3% em comparação com os AED 48,9 bilhões (US$ 13,3 bilhões) registrados durante o mesmo período do ano passado. Esse resultado foi impulsionado pelo aumento da agilidade na implantação da capacidade, com uma demanda saudável dos clientes pelos produtos da Emirates, gerando fatores de carga de assento aprimorados e margens melhores.

Os custos operacionais da Emirates diminuíram 8%, contra a redução da capacidade total de 7%. Em média, os custos de combustível foram 13% mais baixos em comparação com o mesmo período do ano passado, devido principalmente a uma queda nos preços do petróleo (queda de 9% em relação ao mesmo período do ano passado), bem como um abastecimento de combustível mais baixo devido à capacidade reduzida durante os 45 dias de fechamento da pista no DXB. O combustível continuou sendo o maior componente do custo da companhia aérea, respondendo por 32% dos custos operacionais, comparado com 33% nos primeiros seis meses do ano passado.

dnata

A dnata continuou a fortalecer suas capacidades globais em assistência em terra, serviços de catering e viagens, com operações em mais de 35 países. No primeiro semestre de 2019-20, as operações internacionais da dnata representaram mais de 72% de sua receita, em comparação com 68% durante o mesmo período do ano passado.

A receita da dnata, incluindo outras receitas operacionais, foi de AED 7,4 bilhões (US$ 2,0 bilhões), um aumento de 5% em comparação com AED 7,0 bilhões (US$ 1,9 bilhão) no ano passado. Esse desempenho foi sustentado por um crescimento robusto dos negócios e uma expansão global adicional, principalmente em seus negócios de catering.

O lucro total da dnata caiu 64%, para AED 311 milhões (US$ 85 milhões), em comparação com o resultado do ano passado, que incluiu um ganho único de AED 321 milhões com a alienação da participação de 22% da dnata na empresa de gerenciamento de viagens Hogg Robinson Group (HRG). O lucro semestral da dnata para 2019-20 foi ainda mais impactado pela falência da Thomas Cook, um de seus principais clientes nos negócios de viagens e catering da dnata no Reino Unido, resultando em uma perda por redução em valor recuperável de recebíveis comerciais e ativos intangíveis no valor de AED 84 milhões.

As operações aeroportuárias da dnata continuam sendo o maior fator de receita, com AED 3,6 bilhões (US$ 983 milhões), um ligeiro aumento em comparação com o mesmo período do ano passado. Em todas as suas operações, o número de aeronaves manipuladas pela dnata permaneceu estável, com 351.194, e a empresa movimentou 1,5 milhão de toneladas de carga, uma queda de 6%.

O crescimento orgânico nos negócios internacionais de assistência em solo da dnata, com importantes vitórias de contratos em localidades dos EUA, e o desempenho aprimorado em mercados como Itália, Cingapura, Suíça e Iraque, ajudaram a impulsionar a receita da dnata e a compensar o impacto negativo do câmbio de aproximadamente AED 86 milhões. Nos Emirados Árabes Unidos, a dnata adquiriu a propriedade total da empresa de transporte de cargas (freight forwarding), a Dubai Express, que aumentou suas receitas no primeiro semestre de 2019-20, e ajudou a amenizar o impacto das perdas devido ao fechamento da pista no DXB por 45 dias.

A divisão de viagens da dnata contribuiu com AED 1,8 bilhão (US$ 488 milhões) na receita, um aumento de 7% em relação ao mesmo período do ano passado. As vendas totais subjacentes do valor transacional da divisão permaneceram em AED 5,9 bilhões (US$ 1,6 bilhão).

As fortes contribuições de receita de suas novas aquisições, incluindo Tropo na Alemanha e Dunya Travel, ajudaram a compensar a demanda mais fraca de viagens em outros importantes mercados de viagens, bem como o impacto negativo da valorização do dólar norte-americano em relação ao euro e à libra esterlina.

A operação de catering da dnata contribuiu com AED 1,8 bilhão (US$ 479 milhões) para sua receita total, um aumento de 54%. O número de refeições transportadas aumentou 67%, para 51,9 milhões de refeições na primeira metade do exercício.

Esse aumento significativo é atribuído em grande parte às contribuições de seus negócios de catering recém adquiridos na Austrália (Q Catering Limited e Snap Fresh Pty Limited) e nos EUA (121 Inflight Catering); bem como a expansão das instalações de catering da dnata nos EUA, incluindo Houston, Boston e Los Angeles.

Sobre EMIRATES

A Emirates é a maior companhia aérea internacional do mundo, com uma rede global de 158 destinos em 85 países nos seis continentes. A Emirates opera 268 aeronaves modernas, além de ser a maior operadora do mundo de Airbus A380 e Boeing 777. Suas comodidades de luxo, sua culinária de inspiração regional, seu premiado sistema de entretenimento a bordo — ice — e a hospitalidade inigualável da sua icônica tripulação multilíngue de mais de 135 nacionalidades fizeram da Emirates uma das marcas de companhias aéreas mais reconhecidas do mundo.

Mais Lidas

VOENEWS - Notícias do Turismo Escritório de Negócios QNN 7 Conjunto "L" - Lote 47 - Loja 01- CEP: 72225-080 Telefone: (61) - 3202-8600 - Celulares: (61) 98117-4456 E-mail: contato@voenews.com.br

Copyright © 2011 - VOENEWS - Notícias do Turismo

para o Topo