Cias Aéreas

Air Canada divulga resultados do segundo trimestre de 2019

DSC03439E-Air-Canada-737-8-MAX-N60436-678x381
  • Receita operacional recorde no segundo trimestre de CAD$ 4,757 bilhões
  • Lucro operacional de CAD$ 422 milhões e EBITDA de CAD$ 916 milhões
  • Alavancagem de 0,9 e liquidez irrestrita recorde de CAD$ 6,907 bilhões

 

A Air Canada divulgou o EBITDA do segundo trimestre de 2019 (lucro antes de juros, impostos, depreciação, amortização e ajuste para perdas do ativo) de CAD$ 916 milhões – o EBITDA do segundo trimestre de 2018 foi de CAD$ 739 milhões. A companhia aérea informou um lucro operacional CAD$ 422 milhões no segundo trimestre de 2019, que aumentou em comparação com o lucro operacional de CAD$ 308 milhões do segundo trimestre de 2018. No segundo trimestre de 2019 a Air Canada reportou uma receita líquida ajustada de CAD$ 240 milhões ou CAD$ 0,88 por ação diluída; no mesmo período de 2018 o lucro líquido ajustado foi de CAD$ 129 milhões ou CAD$ 0,47 por ação diluída. O lucro líquido do segundo trimestre de 2019, CAD$ 343 milhões ou CAD$ 1,26 por ação diluída, foi comparado a um prejuízo líquido de CAD$ 102 milhões ou CAD$ 0,37 por ação diluída no segundo trimestre de 2018. O segundo trimestre de 2019 incluiu ganhos cambiais de CAD$ 117 milhões, enquanto o segundo trimestre de 2018 incluiu uma perda na alienação de ativos de CAD$ 186 milhões e perdas cambiais de CAD$ 82 milhões.

Sobre o resultado, o Presidente e CEO da Air Canada, Calin Rovinescu, disse: “Estou muito satisfeito em relatar um excelente segundo trimestre, incluindo a receita operacional recorde de CAD$ 4,757 bilhões e a liquidez recorde de quase CAD$ 7 bilhões. Embora nossos resultados tenham superado as expectativas, a retirada do Boeing 737 MAX das operações impactou negativamente o crescimento do EBITDA ano após ano. Para levar os passageiros aos seus destinos durante o trimestre, a nossa equipe de gerenciamento e todos os funcionários envolvidos com essa questão complexa fizeram um trabalho incrível, implementando soluções criativas para a nossa frota, para o cronograma, a rede e as operações.”

 

Destaques da demonstração do resultado do segundo trimestre

A Air Canada começou a consolidar os resultados financeiros do Aeroplan na data da aquisição do programa, dia 10 de janeiro de 2019. A Air Canada adotou a norma contábil IFRS 16 – Locações em vigor em 1º de janeiro de 2019 e atualizou os valores de 2018 (inclusive para comparações de período sobre período).

Com o aumento de 2,3% da capacidade, a receita recorde de CAD$ 4,338 bilhões no segundo trimestre aumentou CAD$ 417 milhões, ou 10,7% em relação ao mesmo trimestre de 2018. O crescimento na receita de passageiros foi impulsionado por uma melhoria de 6,8% no yield e o aumento de 3,6 do tráfego.

A melhoria do yield refletiu no aumento do tráfego local de maior rendimento devido ao impacto da capacidade limitada, causada pela retirada do Boeing 737 MAX de operação e pelo ambiente de preços geralmente melhorado.

O aumento do yield em relação ao ano anterior também refletiu no rendimento adicional auferido pela Air Canada nas receitas de resgate do Aeroplan – a empresa começou a fazer esse registro após a aquisição do Aeroplan em 10 de janeiro de 2019. No segundo trimestre de 2019, o EBITDA foi impactado negativamente pela retirada do Boeing 737 MAX, apesar do efeito de rendimento positivo.

As receitas de passageiros do sistema aumentaram CAD$ 83 milhões, ou 10,2% em relação ao segundo trimestre de 2018, tanto no tráfego quanto no crescimento de 5,0%.

No segundo trimestre de 2019, as despesas operacionais de CAD$ 4,335 bilhões aumentaram CAD$ 310 milhões, ou 8% em relação ao segundo trimestre de 2018.

O custo do assento disponível por milha (CASM na sigla em inglês) da Air Canada aumentou 5,2% em relação ao segundo trimestre de 2018. O CASM ajustado da companhia aérea aumentou 5,9% em relação ao mesmo trimestre de 2018.

Esses aumentos refletiram, em grande parte, o impacto da retirada do Boeing 737 MAX, que resultou no crescimento de menos da metade do que havia sido originalmente planejado. Os custos mais altos associados à substituição de aeronaves e às despesas operacionais contínuas, incluindo depreciação e amortização e os salários dos pilotos do Boeing 737, que continuaram a ser pagos apesar da retirada da aeronave.

A Air Canada tinha 24 aeronaves Boeing 737 MAX em sua frota operacional no momento da retirada do modelo do mercado; a empresa esperava receber mais 12 aeronaves para ficar com uma frota total de 36 aeronaves Boeings 737 MAX até julho de 2019.

Levando-se em consideração que o negócio com o Aeroplan não foi consolidado nos resultados financeiros da Air Canada em 2018, para uma comparação mais significativa do desempenho de custo em curso dos negócios da companhia aérea, o CASM ajustado da Air Canada para o segundo trimestre de 2019 exclui as despesas operacionais do Aeroplan.

 

Perspectivas

Como o cronograma para o retorno ao serviço da aeronave Boeing 737 MAX permanece incerto, para fins de planejamento a Air Canada está tirando o Boeing 737 MAX do seu cronograma até pelo menos 8 de janeiro de 2020.

As decisões finais sobre o retorno do Boeing 737 MAX às operações serão baseadas na avaliação de segurança da Air Canada após o levantamento de avisos de segurança do governo e a aprovação pelas autoridades reguladoras internacionais.

As despesas de capital projetadas, que podem ser encontradas na seção 6.6 do Air Canada’s Second Quarter 2019 Management’s Discussion and Analysis of Results, foram atualizadas para refletir a suposição de que as 12 entregas restantes do Boeing 737 MAX, programadas para 2019, agora serão entregues em 2020.

A Air Canada anunciou em seu press release de 15 de março de 2019 que, devido à retirada do Boeing 737 MAX, estava suspendendo as orientações financeiras em relação ao exercício de 2019, que haviam sido fornecidas em 15 de fevereiro de 2019 e em 28 de fevereiro de 2019. A empresa informou que a decisão será mantida até segunda ordem e a decisão da Boeing de suspender as entregas do 737 MAX para as companhias aéreas.

Permanece em vigor as diretrizes financeiras previstas para 2020 e 2021 em relação à margem EBITDA anual (lucro antes de juros, impostos, depreciação, amortização e ajuste para perda de ativo, como percentual da receita operacional) e o ROIC anual, bem como o fluxo de caixa livre cumulativo no período de 2019-2021.

 

Principais pressupostos: As suposições foram feitas pela Air Canada na preparação e na elaboração de declarações prospectivas. Como parte de suas suposições, a Air Canada assume um crescimento relativamente modesto do PIB canadense no terceiro trimestre e em todo o ano de 2019. A Air Canada também espera que o dólar canadense seja negociado, em média, a CAD$ 1,31 por dólar americano no terceiro trimestre e a CAD$ 1,32 por dólar americano em todo o ano de 2019. A empresa também espera que o preço do combustível para aviação seja em média CAD$ 0,78 por litro no terceiro trimestre e no ano de 2019.

As perspectivas fornecidas constituem declarações prospectivas dentro do significado das leis de valores mobiliários aplicáveis e estão baseadas em várias suposições (incluindo aquelas fornecidas acima) e sujeitas a vários riscos. Por favor, consulte a seção abaixo intitulada “Caution Regarding Forward-Looking Information”.

As Demonstrações Financeiras Consolidadas e Notas do Segundo Trimestre de 2019 da Air Canada e a sua Discussão de Administração e Análise dos Resultados das Operações e a Condição Financeira do Segundo Trimestre de 2019 estão disponíveis no site da Air Canada, aircanada.com, e serão arquivadas no SEDAR em www.sedar.com.

 

Para obter mais informações sobre o arquivo de divulgação pública da Air Canada, incluindo o Formulário de Informações Anuais da Air Canada datado de 25 de março de 2019, consulte o SEDAR , www.sedar.com.

 

 

CAUTION REGARDING FORWARD-LOOKING INFORMATION  

Este comunicado de imprensa inclui declarações de previsão de acordo com as leis de valores mobiliários aplicáveis. As declarações prospectivas estão relacionadas a análises e outras informações que são baseadas em previsões de resultados futuros e estimativas de quantias ainda não determináveis. Essas declarações podem envolver, mas não estão limitadas a comentários relativos a resultados preliminares, orientações, estratégias, expectativas, operações planejadas ou ações futuras. As declarações prospectivas são identificadas usando termos e frases como “preliminar”, “antecipar”, “acreditar”, “poderia”, “estimar”, “esperar”, “pretender”, “pode”, “planejar”, “prever”, “projeto”, “vir”, “seria” e termos e frases semelhantes, incluindo referências a suposições. As declarações prospectivas, por sua natureza, são baseadas em suposições, incluindo aquelas aqui descritas e estão sujeitas a importantes riscos e incertezas. Declarações prospectivas não podem ser consideradas devido, entre outras coisas, à alteração de eventos externos e incertezas gerais dos negócios.Os resultados reais podem diferir materialmente dos resultados indicados nas declarações prospectivas devido a vários fatores, incluindo, sem limitação, nossa capacidade de alcançar ou sustentar lucratividade líquida positiva ou de realizar nossas iniciativas e objetivos, indústria, mercado, crédito, econômico e financeiro, condições geopolíticas, preços de energia, câmbio, concorrência, nossa dependência de tecnologia, riscos de segurança cibernética, nossa capacidade de implementar com sucesso iniciativas estratégicas apropriadas (incluindo o retorno das aeronaves Boeing 737 MAX à nossa frota, bem como a introdução dessas em ordem ) ou reduzir custos operacionais, nossa capacidade de integrar e operar com sucesso o negócio de fidelidade do Aeroplan após a aquisição da Aimia Inc. e lançar com sucesso nosso novo programa de fidelidade, nossa capacidade de preservar e expandir nossa marca, taxas de aeroporto e taxas relacionadas, custos fixos, nossa dependência de fornecedores importantes, incluindo transportadoras regionais, relações e custos de funcionários e trabalhistas, nossa dependência da Star Alliance e joint ventures, interrupções de serviço, fatores ambientais (incluindo sistemas climáticos e outros fenômenos naturais e fatores derivados de fontes criadas pelo homem), nossa capacidade de pagar nosso endividamento e manter liquidez, questões previdenciárias, limitações devido a cláusulas restritivas, litígios e ações pendentes e futuros por terceiros, nossa capacidade de atrair e reter pessoal necessário, guerra, atos terroristas, perdas por acidentes, mudanças leis, desenvolvimentos ou procedimentos regulatórios, doenças epidêmicas, questões de seguro e custos, bem como os identificados no arquivo de divulgação pública da Air Canada disponível em www.sedar.com  e, em particular, aqueles identificados na seção 14 do MD & A do segundo trimestre de 2019 da Air Canada e na seção 18 “Fatores de Risco” da MD & A de 2018 da Air Canada. Além disso, a aquisição da Transat A.T. Inc. está sujeita à aprovação dos acionistas da Transat A.T. Inc., aprovação judicial, aprovações regulamentares e certas condições costumeiras, e não há garantias de que a aquisição será concluída conforme descrito neste comunicado de imprensa ou de qualquer maneira. As declarações prospectivas contidas ou incorporadas por referência neste comunicado à imprensa representam as expectativas da Air Canada quanto à data deste comunicado à imprensa (ou a partir da data em que elas devem ser declaradas) e estão sujeitas a alterações após essa data. No entanto, a Air Canada renuncia a qualquer intenção ou obrigação de atualizar ou revisar quaisquer declarações prospectivas seja por causa de novas informações, eventos futuros ou de outra forma, exceto conforme exigido pelas regulamentações de valores mobiliários aplicáveis.

Destaques

Os destaques financeiros e operacionais da Air Canada nos períodos indicados são os seguintes:

Segundo Trimestre Primeiros seis meses
(Dólares canadenses em milhões, exceto onde indicado) 2019 (1) 2018 (2) $ Variação 2019 (1) 2018 (2) $ Variação
Métricas de desempenho financeiro
Receitas operacionais 4,757 4,333 424 9,210 8,404 806
Receita operacional 422 308 114 549 394 155
Lucro (perda) antes do imposto de renda 440 (106) 546 725 (335) 1,060
Lucro (perda) líquido 343 (102) 445 688 (305) 993
Receita ajustada antes de impostos (3) 326 185 141 350 153 197
Lucro líquido ajustado (3) 240 129 111 257 103 154
Margem de operação % 8.9% 7.1%  1.8 pp 6.0% 4.7% 1.3 pp
EBITDA (3) 916 739 177 1,499 1,243 256
Margem EBITDA % (3) 19.3% 17.1% 2.2 pp 16.3% 14.8% 1.5 pp
Liquidez irrestrita (4) 6,907 5,064 1,843 6,907 5,064 1,843
Fluxo de caixa líquido de atividades operacionais 1,090 1,081 9 4,201 2,372 1,829
Fluxo de caixa livre (3) 537 124 413 1,116 442 674
Dívida líquida (3) 3,277 5,705 (2,428) 3,277 5,705 (2,428)
Retorno sobre o capital investido (“ROIC”) % (2)(3) 15.5% NM NM 15.5% NM NM
Taxa de alavancagem (2)(3) 0.9 NM NM 0.9 NM NM
Lucro (perda) diluído por ação 1.26 (0.37) 1.63 2.51 (1.12) 3.63
Lucro ajustado por ação – diluído (3) 0.88 0.47 0.41

Mais Lidas

VOENEWS - Notícias do Turismo - Escritório de Negócios SCLN 201 - Bloco "C" - sala 112 Brasília - DF - CEP: 70.832-530 Telefone: (61) - 3201-8602 Celulares: (61) 98117-4456 - E-mail: contato@voenews.com.br

EVENTOS DO TURISMO

NOTÍCIAS DA HOTELARIA

Copyright © 2011 - VOENEWS - Notícias do Turismo

para o Topo